Quinta série

Ultraman Trigger episódios 1 e 2

Ultraman Trigger é…

Ultraman Trigger é foi a série criada pela Tsuburaya Productions pra comemorar os 50 anos de O Regresso de Ultraman e de Ultraman Tiga.

Ao menos nesses dois episódios, a série puxa mais elementos de Tiga do que do Regresso. Na verdade, ela é uma releitura da série de 1996, o que pode ser visto tanto pela equipe antimonstros quanto pela origem e os inimigos importados do filme Ultraman Tiga – A Odisséia Final.  

Primeiro episódio:

No primeiro episódio de Ultraman Trigger é “Connection of Light”, somos apresentados ao botânico marciano Kengo Manaka , um jovem cujo maior propósito é fazer o mundo sorrir. Ele trabalha com sua mãe, Reina Manaka (Megumi Yokoyama), a administradora do projeto expedicionário marciano que está pesquisando os segredos do que parece ser uma pirâmide invertida.

Quando a instalação é atacada pelo monstro Golba, ele acaba sendo forçado pela mãe e por Mitsukuni Shizuma (Shin Takuma), líder da fundação Sizuma, dona da instalação. O rapaz descobre que tem uma conexão com os gigantes de luz e acaba se fundindo com a estátua antiga que se torna o Ultraman Trigger.

Uma curiosidade é que diferente dos ultras falantes mais recentes, Ultraman Trigger se comunica com seu hospedeiro através de imagens.

Nesse episódio, reencontramos Cameara, a primeiro dos três vilões importados do filme Ultraman Tiga – A Odisséia Final.   Ela é despertada num campo de asteroides que além de seguir em busca de seus parceiros, os gigantes das trevas, quer se vingar de Ultraman Trigger, que antes de se voltar contra eles, também era um dos vilões.

No segundo episódio, “The Ultra-Ancient Light and Darkness” vemos Kengo viajando para a terra com Shizuma, que o indicou para a GUTS-Select.

O episódio nos mostra como será a dinâmica do personagem com sua equipe e nos apresenta ao caricato e exagerado Tesshin Sakuma (Tadashi Mizuno), Seia Tatsumi (Katsuya Takagi), o capitão da equipe, Yuna Shizuma (Runa Toyoda), a filha de Mitsukuni, o cientista da equipe Akito Hijiri (Shunya Kaneko), que queria ter se tornado o Trigger no lugar do protagonista para ajudar Yuna, Himari Nanase (Meiku Harukawa), a piloto do GUTS Falcon e o Alien Marluru, um Metron que funciona como operador da equipe.

Akito tem um atrito com Kengo, mas acaba acatando as ordens do chefe e dá um power-up pro coleguinha a tempo de enfrentar o fortão Darramb, o segundo gigante das trevas que alega ter algo pessoal para ajustar com seu valoroso inimigo.

Antes da ampliação, o fortão varreu o chão com o Ultraman Trigger, com a Power Mode, até foi um pouco difícil, mas ele acabou vencendo.

Conclusão:

Foi um bom começo, a série introduziu os personagens de uma forma adequada que me fez querer acompanhar e bem…

Se você gosta dos Ultras atuais, vai gosta de Ultraman Trigger. Se só assistiu aos antigos, vai sentir uma diferença aqui e ali, mas vai reconhecer (pelo menos) a fórmula de Ultraman Tiga.

Ainda é um pouco estranho ver efeitos práticos como monstros de borracha e as maquetes em HD, mas não incomoda. A história é dinâmica, o CGI é perfeito e bem… É Ultraman. É impossível dar errado.

A pergunta que não quer calar é: Será que veremos algo ligado ao Ultraman Jack nessa série?

Isso, só o tempo dirá.

Alexandre D´Assumpção

Segundo o Guia do Mochileiro das Galáxias, Alexandre D’assumpção, ou The Sumpa, é praticamente inofensivo. Apesar de todas as lendas a seu respeito, ele é apenas um professor Nerd, redator, roteirista de quadrinhos e audiovisual que nos anos 80 pediu carona para uma cabine azul e desde então, tem vivido suas aventuras através do espaço/tempo. Para facilitar a viagem, tornou-se mestre Zen na arte de ter um rosto tão comum que todos sempre o cumprimentam imaginando se tratar de outra pessoa; normalmente ele mesmo. Dono de uma péssima memória, ele nunca se lembra de detalhes importantes como rostos, grupos que passou nem dos inimigos que ameaçam sua vida, o que é péssimo quando ele os encontra em becos escuros. Sua toalha é customizada e ostenta a máscara da Iniciativa Gambate, empresa criada por ele para levar a cultura Pop a todos aqueles que dela precisarem, estejam onde estiverem. De tempos em tempos ele reverte a polaridade de sua chave de fenda sônica e leva algum compannion para passeios transmídia, seja em eventos, festivais ou programas de TV. No caso de um avistamento, principalmente se The Sumpa for a personalidade dominante, espere o inesperado e corra para sobreviver.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo