Não Assistimos

Space Jam: Um Novo Legado (2021)

Space Jam: Um Novo Legado… Onde vimos isso antes?

Não crie grandes ilusões. Space Jam: Um Novo Legado é o primeiro requentado. Mas isso não é ruim nem estraga a diversão.

Ao colocar o Lebron James como um daqueles pais que querem o melhor para os filhos, desde que esse melhor seja o que ele acredita ser, o filme investe no clássico antagonismo entre pai e filho.

Diferente dele, que foi forçado a abandonar qualquer coisa que não tivesse a ver com o basquete, seu filho Dom (Cedric Joe) sonha em desenvolver videogames, algo que o pai não compreende. Isso acaba fazendo com que ele seja seduzido pelo lado negro da força.

O algorítimo do mal?

O grande vilão do filme é AI G (Don Cheadle), um algorítimo pirracento que queria incluir Lebron em alguns de seus projetos, mas nesse ponto da história, Lebron ainda está interpretando o adulto chato que esqueceu que teve infância e rejeita qualquer projeto que não refletir o grau de maturidade que ele quer demonstrar para o mundo.

Furioso, AI G decide sequestrar o jogador de basquete e convence seu filho que se vingar do pai usando o game que ele não entendeu seria uma bela ironia.

O estúdio que é dono das maiores franquias…

O filme diz isso, não eu. E acaba sendo verdade.

É menos importante entender que teremos mais um jogador indo em busca de um time e que a loucura dos Looney Tunes salvará o dia do que ver todos os fan services e piadas desse filme.

Pernalonga e Lebron precisam reunir os Looney Tunes que estão dispersos nos mundos da Warner. Salvo o munda da DC, onde estão Gaguinho Patolino e Lola, os outros visitados pela dupla rendem piadas rápidas porém eficazes.

Trilhas sonoras inesquecíveis? Temos. A cena em que a Lola aparece (por motivos óbvios) tem a “Is She With You”, o já clássico tema da Mulher-Maravilha dos cinemas, o tema do Batman 89 e uma cena que usa o estilo de caracterização do Paul Diny e do Bruce Tim, mas usa o tema do Superman 78, Temos até uma cena com a trilha sonora do Batman 66. Curiosamente,

Icônico é pouco.

O Space Jam do século XXI…

Será que personagens clássicos gostam de ser atualizados? Os Looney Tunes não curtiram virar CGI não…. Só que eles precisavam mostrar que esse não era o Space Jam do seu pai e deram um tapa temporário no visual dos personagens.

Foi estranho, felizmente não foi permanente.

Outra questão é que em mais de uma situação, somos lembrados que não é a primeira vez que os personagens fazem isso. Ficou aquele clima de: “Copia, mas faz diferente”. Felizmente, o roteiro de Juel Taylor, Tony Rettenmaier, Keenan Coogler e Terence Nance usa isso a seu favor.

Onde Space Jam: Um Novo Legado erra? Onde acerta?

Erros:

No momento que o filme usa Sarah Silverman e Michael B. Jordan só para fazer uma piada e logo retira os dois atores de cena.

Eles poderiam ter sido mais usados. No original, tivemos aqueles outros personagens satélites que só serviam para engrossar o time. Aqui temos a família de Lebron, mas eles foram usados em momentos pontuais.

Acertos:

Eu já falei da quantidade de referências e fan services que esse filme faz aos personagens da Warner? Ver o Frangolino montando um Dragão no mundo de Game of Thrones ou o Hortelino como o Mini Me de Austin Powers é divertido. E essas são apenas algumas referências.

Quer assistir? Vai sem medo. Looney Tunes nunca decepciona, mesmo quando a história é tão simples que precisa de um mundo de referências para deixá-la mais interessante.

Alexandre D´Assumpção

Segundo o Guia do Mochileiro das Galáxias, Alexandre D’assumpção, ou The Sumpa, é praticamente inofensivo. Apesar de todas as lendas a seu respeito, ele é apenas um professor Nerd, redator, roteirista de quadrinhos e audiovisual que nos anos 80 pediu carona para uma cabine azul e desde então, tem vivido suas aventuras através do espaço/tempo. Para facilitar a viagem, tornou-se mestre Zen na arte de ter um rosto tão comum que todos sempre o cumprimentam imaginando se tratar de outra pessoa; normalmente ele mesmo. Dono de uma péssima memória, ele nunca se lembra de detalhes importantes como rostos, grupos que passou nem dos inimigos que ameaçam sua vida, o que é péssimo quando ele os encontra em becos escuros. Sua toalha é customizada e ostenta a máscara da Iniciativa Gambate, empresa criada por ele para levar a cultura Pop a todos aqueles que dela precisarem, estejam onde estiverem. De tempos em tempos ele reverte a polaridade de sua chave de fenda sônica e leva algum compannion para passeios transmídia, seja em eventos, festivais ou programas de TV. No caso de um avistamento, principalmente se The Sumpa for a personalidade dominante, espere o inesperado e corra para sobreviver.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo