Quinta série

O Que Aconteceria Se… O mundo perdesse seus heróis mais poderosos?

O que aconteceria se… é sobre distopias.

O que aconteceria se o mundo perdesse seus heróis mais poderosos é uma prova disso. O episódio pega a intenção por trás da criação dos Vingadores e cria uma teoria da conspiração a partir disso. Todos os candidatos aos Vingadores estão morrendo Como e por que são as pergunta por trás da ficção.

Quer outra pergunta? Se o universo não aceita o vazio, o que preencherá o vácuo de poder?

Mais uma? Até que ponto barganhar com o demônio facilita as coisas pra ele?

Lembra que o grande desafio dos Vingadores foi o Loki? Nesse episódio, ele até começa como um desafio, mas o desespero gera alianças e inusitadas e ele acaba se tornando tanto parte da solução quanto de um novo problema.

Sobre a animação…

Nesse episódio, a animação deu umas derrapadas. Lembrou muito aquele CGI duro da animação o Aranha que a MTV fez em 2000. Alias, o estilo lembra bastante, mas pra resumir… Tava boa não, mas o roteiro segurou e a fantasia se manteve.

O episódio deixa quatro coisas bem claras:

Não importa o quanto você é poderoso, algo vai te derrubar.

Sempre teremos os Vingadores, independente da formação e as circunstanciarias em que serão formados;

Loki sempre fará o papel de invasor e sob as circunstancias certas, se torna um tirano porque a humanidade tem preguiça de pensar. Estamos sempre em busca de um messias, alguém que pense por nós e nos guie cegamente através de seus preceitos superiores.

Os vilões ganham os poderes que damos a eles. Precisamos de algozes.

A grande verdade é que independente de qualquer percalço distópico, o episódio nos lembra que onde há desespero, também há espaço para que a esperança ressurja.

Alexandre D´Assumpção

Segundo o Guia do Mochileiro das Galáxias, Alexandre D’assumpção, ou The Sumpa, é praticamente inofensivo. Apesar de todas as lendas a seu respeito, ele é apenas um professor Nerd, redator, roteirista de quadrinhos e audiovisual que nos anos 80 pediu carona para uma cabine azul e desde então, tem vivido suas aventuras através do espaço/tempo. Para facilitar a viagem, tornou-se mestre Zen na arte de ter um rosto tão comum que todos sempre o cumprimentam imaginando se tratar de outra pessoa; normalmente ele mesmo. Dono de uma péssima memória, ele nunca se lembra de detalhes importantes como rostos, grupos que passou nem dos inimigos que ameaçam sua vida, o que é péssimo quando ele os encontra em becos escuros. Sua toalha é customizada e ostenta a máscara da Iniciativa Gambate, empresa criada por ele para levar a cultura Pop a todos aqueles que dela precisarem, estejam onde estiverem. De tempos em tempos ele reverte a polaridade de sua chave de fenda sônica e leva algum compannion para passeios transmídia, seja em eventos, festivais ou programas de TV. No caso de um avistamento, principalmente se The Sumpa for a personalidade dominante, espere o inesperado e corra para sobreviver.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo