Quer mais este assunto nerd? Nos visite diariamente.

O dia em que John Constantine mandou o Rei dos Vampiros comer merda!

Mais um episódio do Hellblazer do Garth Ennis

O encontro de Constantine com o rei dos vampiros.

Esta história foi publicada no século passado, então, sim, tem spoiler.

Ok, você pode gostar de John Constantine, pode achar que ele é o melhor no que faz, e vou te contar, quando você tá com merda até o pescoço e um demônio tentando arrastar tua alma para fritar no Inferno, ele é mesmo a melhor opção, mas uma coisa nós vamos ter que concordar, esse filho da puta não cansa de arrumar encrenca com os piores inimigos possíveis.

Em “Hábitos Perigosos”, um de seus melhores arcos de histórias, John, após anos fumando feito uma chaminé, ferrou de vez com seus pulmões, e o sujeito que passou a vida se livrando de espíritos malignos e trocando uma ideia com seres inomináveis, quase bateu as botas para uma doença típica dos mortais, o câncer.

Quase, porque ele enganou uma trindade de demônios, ofereceu a velha alma e fez um pacto com os três ao mesmo tempo, e para não embarcarem em uma guerra sem fim que favoreceria o Paraíso, eles se viram obrigados a curar seu câncer, impedindo sua morte.

Não satisfeito, ele mostrou o dedo do meio para os chefões do Inferno, assim, sem motivo, só porque ele quis sair com estilo.

Por mais esperto que você seja, e Constantine se acha esperto pra caramba, ser alvo do ódio mortal e perpétuo dos soberanos infernais, ao mesmo tempo em que o Paraíso já bateu a porta na sua cara, não é uma atitude muito sensata. Quero dizer, dá um tempo, alimente os pombos, ajude uma velhinha a atravessar a rua, doe uma grana para um orfanato, tua batata tá assando!

Tem o tal lance de se arrepender dos pecados, é isso que ferra tudo! John não se arrepende da maioria das merdas que fez, se duvidar, acho até que ele se orgulha de algumas delas, mas ele pelo menos podia pensar duas vezes antes de conseguir novos desafetos.

E ele fez isso?

Não, claro que não!

Na história “Vidas Notáveis”, publicada em Hellblazer 50 (1992), o Rei dos Vampiros convoca Constantine para uma conversa.

Você não sabe quem é o Rei dos Vampiros?

Tranquilo, eu também não tinha a menor ideia de que ele existia até ler a história, e basicamente, ele é o maioral dos vampiros, o cara que manda e desmanda nos chupadores de sangue do mundo inteiro, o que estava aqui na Terra quando o primeiro homem caminhou.

Ele foi bastante simpático até, elogiou John, o chamou de “um dos mais capazes, brilhantes e ousados ocultistas de todos os tempos”, e depois fez uma oferta generosa; o inglês se transformaria em um espião, contaria regularmente para o vampiro o que seus colegas místicos estavam aprontando, assim, o monarca poderia se preparar adequadamente para um contra-ataque.

E não parou por aí, não era obrigatório, mas, caso Constantine quisesse, o rei o transformaria em um servo das trevas, com múltiplas vantagens: a força de um furacão, um charme capaz de converter virgens convictas em putas depravadas, caminhar pelos raios da Lua e se alimentar de sangue, que é melhor do que sexo, segundo o vampirão.

E ainda acrescentou, esquece esse papo furado de crucifixo, alho e água benta, a única coisa que pode te ferir é a luz do Sol, então, se você não é do tipo que curte um bronzeado, a eternidade te espera.

Fala sério, hein? Tirando o lance de que beber sangue é melhor do que sexo, o cara soube vender o peixe.

E tá certo, você poderia pensar: quer saber, valeu, mas não, tô de boa, acho que não quero virar um monstro sugador de sangue, fica para uma próxima.

Foi o que Constantine fez?

Não, claro que não!

Ele disse que era a pior oferta de emprego de todos os tempos, que não tinha a menor vontade de se transformar em um cuzão como o rei dos vampiros, e ainda por cima mandou o cara comer merda!

Disse que não era um místico transcendente bancando um simplório comum, que era o contrário e que estava satisfeito com a vida que tinha.

Bom, o Rei dos Vampiros ficou puto da vida, e não é para menos, o John pegou pesado; talvez não tenha ajudado o fato de que no meio da conversa o monstro tenha matado um guarda que passava no local e bebido o seu sangue como se ele fosse um Yakult, isso meio que irritou o mago.

O rei então trucou, disse que ou o John dizia por que a vida miserável dele era melhor do que a de um vampiro ou estava ferrado, virava jantar.

Tu se achas o bonzão, mas é capaz de sair com os amigos e encher a cara em um bar (com cerveja ou uísque, não com sangue)? Já que é tigrão, senta aí e assiste o nascer do Sol comigo então.

Nossa, vixe, eu não deixava!

Já acabou Constantine?

Pior que o vampiro arregou, cumpriu a promessa e deixou o John se mandar.

Resumo da coisa toda?

Constantine odiado pela trindade no Inferno e pelo Rei dos Vampiros na Terra.

Tá suave a vida do mago, não está não?

você pode gostar também