Quer mais este assunto nerd? Nos visite diariamente.

No Século Passado: O Casamento do Homem-Aranha

Esta história foi publicada no século passado, então, sim, tem spoiler.

A vida de um super-herói, assim como a de nós, mortais, é repleta de escolhas, e algumas delas, inevitavelmente trazem severas consequências, como a que Peter Parker tomou no ano de 1987, casando-se com Mary Jane Watson.

Anos depois, quando a DC Comics quis alavancar as vendas do Super-Homem, um dos seus mais famosos super-heróis, ela o matou, já a Marvel, preferiu casar o Homem-Aranha.

Curiosamente, a ideia original da DC Comics era seguir o mesmo rumo e casar Clark Kent e Lois Lane, mas os editores preferiram adiar o matrimônio para que ele ocorresse simultaneamente nos quadrinhos e na série Lois & Clark: As Novas Aventuras do Super-Homem.

Se não podemos casá-lo, vamos mata-lo, decretaram.

As más línguas poderiam dizer que é quase a mesma coisa (o que, caso minha esposa esteja lendo isso, quero deixar claro que eu não concordo de forma alguma).

Voltando para 1987 e para a Marvel. Nem todos concordavam com a ideia, alguns achavam que era o caminho natural do personagem, que não poderia ser um adolescente para o resto de sua vida, já outros acreditavam que o casamento diminuiria o apelo do personagem junto aos leitores mais jovens, cuja maioria estava estudando e longe de se casar.

Venceu o pessoal que queria ver o amigão da vizinhança se amarrar de vez.

A editora, é claro, transformou o casamento que iria ocorrer em Homem Aranha Anual 21, em um evento midiático de grandes proporções. Só para vocês terem uma ideia, na manhã do dia 04 de junho, um sorridente Stan Lee, ao lado do Homem Aranha e de Mary Jane, ambos de mãos dadas e visivelmente apaixonados, eram entrevistados no programa Good Morning América, exibido em Rede Nacional na Rede ABC.

Na noite do dia seguinte, no Shea Stadium, antes de uma partida de baseball entre New York Meets e o Pittsburgh Pirates, aproximadamente 50.000 pessoas assistiram ao casamento entre o Homem Aranha e Mary Jane, cujo vestido foi desenhado pelo famoso estilista Willi Smith.

Este é o Canal Metalinguagem, então vale destacar que na HQ, Mary Jane visita o próprio Willi Smith e ganha o vestido de presente. Infelizmente, no mundo real, o estilista não conseguiu ver o casamento e sua última criação, já que morreu em abril de 1987.

Ah, sim, quem casou os dois no Estádio foi o próprio Stan Lee.

Pode acreditar, procure no Youtube por “Spider-Man’s Wedding – Shea Stadium 1987e confira com seus próprios olhos.

Certo, a Marvel fez um barulho daqueles e vendeu muitas revistas, mas a história é boa?

Bom, para você uma boa história precisa ter ação?

Se for o seu caso, esqueça! Logo nas primeiras oito páginas o Homem Aranha fecha o tempo com o Electro, e derruba o sujeito e seus capangas sem maiores problemas, depois disso, o roteiro é despedida de solteiro, visita ao cartório e dúvidas sobre o casamento, muitas dúvidas.

Parker tem seus motivos, não dá para negar, ele vê o seu mundo, onde a grana está sempre curta e a conta corrente vive no vermelho, e compara com o glamour da vida de modelo com o qual Mary Jane se acostumou.

Enquanto o aracnídeo balança por aí com suas teias para economizar o metrô, sua amada anda para cima e para baixo de limusine.

Outra preocupação constante é com a segurança de Mary Jane. Gwen Stacy, morta pelo Duende Verde, após o vilão descobrir a identidade secreta do Homem Aranha, não sai de sua memória, horrorizado com a possibilidade de que sua futura esposa tenha o mesmo destino.

Mary Jane também tem suas dúvidas. Como já foi dito, ela está acostumada com o mundo das passarelas. Dinheiro, agitação, badalação, viagens para o exterior fazem parte dele, e ela receia que tudo isso acabe com o casamento, medo esse reforçado por pretendentes que tentam a todo custo fazer com que ela desista da ideia de se casar.

Um deles manda uma Ferrari com duas viagens para Paris no porta luvas, na tentativa de seduzi-la.

É, amigo, estava cheio de marmanjo querendo furar os olhos do Aranha.

Não preciso dizer aqui que o amor vence no final, não é? Está no título, ambos superam seus receios, e se casam, com direito até à uma lágrima de J. Jonah Jameson.

O Casamento do Homem Aranha vale pelo inegável valor histórico.

É uma história rápida de se ler e mediana, mas interessante por abordar mais Peter Parker e seus dilemas, algo que sempre fez sucesso com os leitores.

E eles viveram felizes para sempre, Fernando?

Não, infelizmente não, em 2008 o casamento chegou ao fim.

Normalmente isso ocorre com advogados e um divórcio, mas nos quadrinhos é sempre um pouco mais complicado, e no caso do Homem Aranha envolveu um pacto com Mefisto na história “Um Dia a Mais”, que felizmente aconteceu neste século, e eu não terei que falar sobre ela.

você pode gostar também