Quer mais este assunto nerd? Nos visite diariamente.

Não Assistimos: Mulan (2020)

Disney se supera e nos entrega um belo filme.

O novo Mulan é um belo filme de luta chinês.

O Covid-19 ferrou com todo o planejamento dos estúdios.

Tem filme sendo adiado, indo direto pro vídeo e os que por um acaso, estão aparecendo nos cinemas só para ter arrecadamentos tímidos.

O aguardado filme dirigido pela Neozelandesa Niki Caro acabou estreando no Disney+ e diga-se de passagem, agradou bastante. Como atualmente, a China é um mercado forte, usar a estética dos filmes produzidos por eles foi uma escolha ajustada. Você gosta de filmes com chineses voando e realizando atos praticamente impossíveis? Gosta de uma bela fotografia e de uma palheta de cores quentes?

Você vai gostar de Mulan.

Os mais nostálgicos sentirão falta das músicas e do Mushu, mas nenhum dos dois elementos funcionaria no filme que a Disney quis contar. Se você achar que a questão mitológica fez falta, na verdade, eles só deram um jeito da personagem ser guiada por um arquétipo mais sutil.

No mais, a história de Fa Mulan (Liu Yifei), filha mais velha do lendário soldado Hua Zhou (Tzi Ma) que desafia a tradição milenar e a lei de seu povo ao se disfarçar como homem no Exército Imperial, protegendo seu pai doente.

Justamente por não ter as muletas da animação, o filme se esforça em mostrar que desde criança ela estava destinada a ser guerreira, uma vez que possuía um Chii alto que lhe permitia algumas estripulias. A partir daí, os roteiristas Elizabeth MartinLauren Hynek, Rick Jaffa e Amanda Silver vão amarrando a trama e nos fazendo entender que o destino da personagem é inevitável.

Curiosamente, é traçado um paralelo com Xianniang (Gong Li), uma mulher que não aceitou seu lugar na sociedade e acabou não pertencendo a lugar nenhum. Uma vez que a atitude de Mulan desrespeitava as convenções da época, as duas acabariam tendo o mesmo destino, mas é um filme da Disney, né?

É o remake de algo que já sabemos como termina, então, o truque é aproveitar a viagem e ver o quanto a nova linguagem interfere na narrativa, que dá uma derrapada quando percebemos que a única coisa que nos faz acreditar que ela é um cara é a suspensão da descrença. O único artifício usado para deixar a personagem menos feminina é sujar seu rosto. Se na animação, Chen Honghui, (Yoson An) deve ter questionado sua masculinidade em muitos momentos, no longa, fica bem claro que ele sabe que se trata de uma garota desde o momento em que os dois tomam banho de rio, e a partir dali, só finge que não sabe a verdade para não constrangê-la.

Se você é um gato, mas diz que é um pato… O.K. As pessoas têm o direito de acreditar no que quiserem desde que não faça mal a ninguém além deles mesmos.

É interessante ver que quem é rei nunca perde a majestade. Jet Li interpreta o imperador acuado por Bori Khan (Jason Scott Lee) que só está no filme para ser resgatado pela protagonista, mas, ainda assim, tem seu momento de brilho.

Acaba sendo um filme redondinho e agradável que não decepciona fãs antigos nem é fechado demais a ponto de não atrair quem não conhecia a história. Talvez o Disney+ seja a plataforma perfeita para este tipo de lançamento. Novos Mutantes, se tivesse seguido o mesmo caminho de Mulan, teria dado mais sorte.

Mulan:

A aclamada cineasta Niki Caro dá vida à épica lenda da icônica guerreira chinesa em “Mulan”, da Disney, em que uma jovem destemida arrisca a própria vida por amor à família e à pátria para se tornar uma das maiores guerreiras de toda a China. Quando o Imperador da China emite um decreto estabelecendo que um homem de cada família deve servir no exército imperial para defender o país dos invasores do Norte, Hua Mulan, a filha mais velha de um honrado guerreiro se apresenta no lugar de seu pai adoentado. Disfarçada de homem, como Hua Jun, ela é testada a cada etapa do caminho e deve controlar sua força interior e abraçar seu verdadeiro potencial. É uma jornada épica que vai transformá-la em uma reverenciada guerreira e levá-la a conquistar o respeito de uma nação agradecida… e um pai orgulhoso.
Data de lançamento: setembro de 2020/1h 55min / Aventura, Família, Fantasia
Roteiro:  Elizabeth MartinLauren Hynek, Rick Jaffa e Amanda Silver
Direção: Niki Caro
Orçamento: 200 milhões USD
Música composta por: Harry Gregson-Williams
Elenco: Liu Yifei, Donnie Yen, Gong Li, Jet Li, Jason Scott Lee.
Nacionalidade EUA
você pode gostar também