Quer mais este assunto nerd? Nos visite diariamente.

Doctor Who S12e04: Nikola Tesla’s Night of Terror

Estamos chegando ao meio da temporada e felizmente, por mais que a equipe se mantenha, a sombra da temporada anterior está cada vez mais distante. Fala-se muito sobre o ciclo do gostar…  começamos viúvas do Doutor anterior, aprendemos a gostar do atual, e quando nos despedimos dele, o ciclo recomeça. Como a 13ª substituiu um Doutor que evoluiu muito ao longo de seu arco e seu ciclo começou de forma desastrosa, muitos alegaram que ela seria o equivalente ao sexto Doutor, que foi retirado as pressas. Pode até acontecer. Existem fãs da série que se dedicam fervorosamente a odiar qualquer coisa que nosso Chibs faça, e nem sempre estão errados.

Felizmente, apesar de uma eco derrapada no episódio anterior, A Noite de Terror de Nikola Tesla nos entregou um episódio histórico interessantíssimo e cheio de ação. O segundo da temporada, que já teve Spyfall parte 2.

No episódio, Nikola Tesla (Goran Višnjić) apresenta uma de suas invenções quando algo estranho acontece e a Doutor cruza seu caminho.  A Doutor, que estava em busca de uma estranha energia, chega no exato momento em que o inventor é atacado por um estranho com uma arma alienígena e salva sua vida. A partir daquele momento, eles se tornam parceiros de aventura. Enquanto Graham, Yaz e Ryan tentam lembrar algo que o inventor tenha feito, a Tesla mostra para a Doutor um Orbe que ela tenta entender a função e acaba sendo um artefato que estava espionando o inventor. A princípio, imaginava-se ser Thomas Edison (Robert Glenister), porém, eles descobrem que se tratava de uma nave espacial tripulado pela rainha Skithra (Anjli Mohindra) e seus súditos escorpiões que canibalizam tecnologias que não sabem como consertar e precisam de um engenheiro para a função.

Ao colocar Tesla e Edison lado a lado, o episódio nos mostra a famosa rivalidade dos dois, principalmente quando colocam o croata como sonhador e o americano como um ladrão de ideias prepotente. Višnjić e Glenister nos entregam ótimas interpretações.

Quanto aos personagens recorrentes, é interessante ver que essa temporada tem mostrado um pouco mais da Yaz, principalmente quanto às suas habilidades. Neste episódio, ela e Edison tinham a missão de dispersar a multidão. Quando a coisa apertou, foi ela que encontrou a saída após o inventor aterrorizar todos na rua com boatos sobre Tesla. Graham e Ryan estão funcionando cada vez mais como alívio cômico e fica difícil não gostar deles, o mesmo vale para a Doutor, que está menos exagerada, logo, mais agradável.

E o CGI, hein…? O investimento está sendo bem usado. Por mais que a rainha s Skithra pareça uma versão requentada dos Racnoss, seus súditos escorpiões pareciam ameaçadores.

Boas histórias, visuais de cinema… Este é um ótimo momento para ser fã de Doctor Who, mesmo que a 13 não seja a sua Doutora.

você pode gostar também