ColunasNão Assistimos

Não Assistimos: Batman- Morte em Família (2020)

Uma animação que prometeu demais e entregou pouco.

Batman: Death in the Family prometeu mais do que entregou. Não que seja ruim, só não é a experiência espetacular e inesquecível que prometeram.  

A nova animação da DC pode até ter seu lado interativo, mas é fria. Nos quadrinhos, Jason Todd foi ficando cada vez mais imprudente e desobediente porque estava com a cabeça perturbada devido a uma série de questionamentos acerca de sua origem e a identidade de sua mãe.

Na animação, a questão da maternidade rendeu apenas uma frase: Sua mãe estava doente. A mãe foi citada e esquecida logo após, deixando todas as imprudências e atitudes na conta do garoto, que no fundo, era só imprudente, problemático e descuidado ou que enlouqueceu quando foi banhado pelas águas do poço de Lázaro. Você decide.

Sim, a forma como os dramas da história foram tratados, foi extremamente impessoal. Valorizaram a ação, que ganhou uma estética de anime e os traços finos que as animações modernas passaram a usar com a desculpa de que facilitam a animação da ação.

Sequer se preocuparam em envelhecer o ex-Robin, mesmo após a informação de que se passaram cinco anos entre sua morte e seu retorno, ele ainda parece capaz de participar dos Jovens Titãs.

Não ajuda o fato de entender que a narrativa é um desabafo do morcego, que está contando a história de uma das suas maiores falhas para um amigo. Foi uma solução preguiçosa.

Talvez você goste, talvez não… Felizmente, existem animações melhores do personagem, que diferente desta, dão vontade de reassistir.

Alexandre D´Assumpção

Segundo o Guia do Mochileiro das Galáxias, Alexandre D’assumpção, ou The Sumpa, é praticamente inofensivo. Apesar de todas as lendas a seu respeito, ele é apenas um professor Nerd, redator, roteirista de quadrinhos e audiovisual que nos anos 80 pediu carona para uma cabine azul e desde então, tem vivido suas aventuras através do espaço/tempo. Para facilitar a viagem, tornou-se mestre Zen na arte de ter um rosto tão comum que todos sempre o cumprimentam imaginando se tratar de outra pessoa; normalmente ele mesmo. Dono de uma péssima memória, ele nunca se lembra de detalhes importantes como rostos, grupos que passou nem dos inimigos que ameaçam sua vida, o que é péssimo quando ele os encontra em becos escuros. Sua toalha é customizada e ostenta a máscara da Iniciativa Gambate, empresa criada por ele para levar a cultura Pop a todos aqueles que dela precisarem, estejam onde estiverem. De tempos em tempos ele reverte a polaridade de sua chave de fenda sônica e leva algum compannion para passeios transmídia, seja em eventos, festivais ou programas de TV. No caso de um avistamento, principalmente se The Sumpa for a personalidade dominante, espere o inesperado e corra para sobreviver.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo