Não Assistimos

Não Assistimos: Atravessa a Vida (2021)

Qual a sua idade?

Lembra do seu último ano no secundário?

A proposta de Atravessa a Vida, o mais novo documentário da Copacabana Filmes é justamente essa. O filme pega um grupo de secundaristas do colégio Sergipano Milton Dortas que estão naquele ano em que todos se preparam para o ENEM.

O grupo encara as consequências de ter alcançado a idade em que todos precisam fazer escolhas, momento que muitos encaram com alguma convicção, mas a maioria sente pavor. Junte tudo isso ao fato de ser 2018, um ano eleitoral atípico em que todos precisam escolher entre os candidatos menos piores.

É nesse momento que João Jardim brilha. Além de não idiotizar os alunos, ele consegue destacar os questionamentos de cada um dos adolescentes, que vão de questões raciais, sociais, o fato deles serem nordestinos de origem pobre cheios de sonhos (ou não). O mesmo vale para os professores e a diretora do colégio que fala sobre as pressões de seu cargo naquele momento em que a sombra do ENEM paira sobre as cabeças de seus alunos.

Será que todos vão conseguir passar? E se os que passarem não quiserem escolher outras faculdades? E como isso se encaixa na realidade do colégio?

O que pode parecer meio bobo para alguns de nós, para esses garotos e para o filme, é a coisa mais séria do mundo.

Como foi na sua época?

Curioso com o filme? Ele já está disponível nos cinemas. Vista sua melhor máscara e aproveite o escurinho de seu cinema preferido.

Sinopse:  

Enquanto alunos do 3º ano do ensino público no interior do Sergipe se preparam para a prova que pode determinar o resto de suas vidas, o documentário retrata as angústias e os prazeres da adolescência através de seus gestos, inquietações e conquistas.  

Personagens:  

Daniela Silva (diretora da escola)  

David Andrade  

Flávia de Jesus  

Lívia Costa  

Vitoria Mirelle  

Ramon dos Santos  

Rayssa Rodrigues   

Isolda Laís   

Ficha Técnica:  

Diretor e Produtor: João Jardim  

Diretora de Produção e Produtora Executiva: Gabriela Weeks  

Assistente de produção: Fernanda Curi, Érika Saldanha  

Estagiária de Produção Executiva: Thayná Ivo  

Pesquisadora e Assistente de Direção: Carol Gonçalves  

Diretor de Fotografia: Dudu Miranda, João Atala  

Fotógrafo adicional: Rafael Mazza  

Assistente de câmera: Isadora Relvas  

Técnico de Som: Marcos Cantanhede  

Técnica de Som adicional Brasília: Olívia Hernadéz   

Montadora: Fernanda Rondon  

Assistente de edição: Liana Riente  

Controller: Alcione Koritzky  

Logger: Gabriel Lima   

Still: Sora Maia, Fabio Seixo  

Estagiária de Edição: Vivian Vecchi  

Composição de trilha sonora: Dado Villa-Lobos   

Produção e distribuição: Copacabana Filmes e Fogo Azul Filmes  

Coprodução: Globo Filmes, GloboNews e Canal Curta!  

Produtores Associados: Renée Castelo Branco 

    Dot e EliteCam  

Sobre o diretor – João Jardim  

Com seu espírito desbravador e forte engajamento social, João Jardim é um dos diretores mais aclamados de sua geração no Brasil. Após ganhar o prêmio de Melhor Documentário na Mostra Internacional de São Paulo e no Message to Man International Film Festival, em São Petersburgo, pelo seu primeiro filme “Janela da Alma” (2001), ele segue desenvolvendo sua paixão pelo cinema dirigindo roteiros surpreendentes e cativantes. “Lixo Extraordinário” (2010), que ele codirigiu no maior aterro sanitário da América Latina, primeiro documentário brasileiro a ser indicado ao Oscar. O filme conquistou prêmios em alguns dos circuitos de mais prestígio, como o Festival de Berlim e Sundance. Sua primeira ficção, “Getúlio” (2014), foi um sucesso de bilheteria no Brasil com mais de 500 mil espectadores. Além disso, Jardim também dirige séries de televisão como “Liberdade de Gênero” (GNT, 2015 e 2017)- uma das primeiras ocasiões em que a TV brasileira retratou pessoas que não se identificam com o gênero designado para elas ao nascerem – e “Nelson Por Ele Mesmo” (Globo, 2017) uma adaptação para a TV do projeto em que Fernanda Montenegro viaja pelo Brasil fazendo leituras de textos do dramaturgo Nelson Rodrigues.  

Sobre a produtora – Copacabana Filmes  

Fundada em 1993 pela cineasta Carla Camurati, a Copacabana Filmes é uma empresa sólida, com grandes sucessos de público e crítica em seu currículo. Uma de suas primeiras apostas foi “Carlota Joaquina- Princesa do Brazil” (1995), dirigido por Camurati – um filme que gerou grande impacto na indústria cinematográfica brasileira, levando mais de 1.5 milhão de pessoas aos cinemas. Outros grandes sucessos dirigidos por Camurati foram “La Serva Padrona” (1998) – o primeiro filme-ópera do Brasil – e “Copacabana” (2001), premiado no Festival de Cinema Brasileiro em Miami e no Grande Prêmio BR do Cinema Brasileiro.  

Ao longo de seus 27 anos, a Copacabana Filmes desempenha um papel importante na distribuição de documentários premiados internacionalmente, como “Budrus” (2009), um filme de Julia Bacha sobre o uso da não-violência no conflito israelo-palestino e “Amor?” (2010), um filme de João Jardim sobre violência doméstica. Além disso, a empresa também organiza o Festival Internacional de Cinema Infantil, com títulos de diversas nacionalidades que normalmente não chegariam ao circuito do país.    

Sobre as coprodutoras – GloboNews e Globo Filmes 

A associação entre a GloboNews e a Globo Filmes tem entre seus principais objetivos formar plateias para o documentário e, em consequência, ampliar o consumo desses filmes nas salas de cinema. A parceria tem contribuído para um importante estímulo ao documentário no Brasil, onde o gênero ainda tem pouca visibilidade quando comparado aos demais países. A iniciativa visa o fortalecimento e a promoção dentro do mercado audiovisual brasileiro, através da coprodução e da exibição desses longas. 

O projeto completa sete anos em 2021 e a parceria estimula a criação de longas-metragens que, após a exibição nas salas de cinema, vão ao ar na emissora. Ao longo desse período, os filmes foram vistos por mais de seis milhões de pessoas no canal por assinatura e o alcance médio das produções foi de 450 mil telespectadores por exibição. 

Foram lançados filmes como Babenco – Alguém tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou, escolhido para representar o Brasil na busca por uma indicação ao Oscar 2021 na categoria Melhor Filme Internacional e premiado como melhor documentário sobre cinema da Venice Classics, mostra paralela do 76º Festival de Veneza em 2019, Cidades Fantasmas e Cine Marrocos, vencedores respectivamente do Festival É Tudo Verdade 2017 e 2019 Slam: Voz de Levante e Pitanga, premiados respectivamente nos Festivais do Rio e de Tiradentes em 2017, e A Corrida do Doping – até o momento, o filme mais visto na faixa da GloboNews. 

Outros destaques foram o longa coletivo 5 x Chico – O Velho e Sua Gente, sobre comunidades banhadas pelo Rio São Francisco, selecionado para quatro festivais internacionais na França; Tim Lopes – Histórias de Arcanjo, sobre a trajetória do jornalista morto em 2002; Betinho – A Esperança Equilibrista, que narra a vida do sociólogo Herbert de Souza, Menino 23, que acompanha a investigação do historiador Sidney Aguilar a partir da descoberta de tijolos marcados com suásticas nazistas em uma fazenda no interior de São Paulo, ambos vencedores do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro em 2016 e 2017, respectivamente; Setenta, de Emília Silveira, sobre a militância política nos anos 1970, que recebeu dois prêmios no 8º Festival Aruanda (Paraíba), incluindo o de Melhor Filme pelo júri popular; e o premiado Meu nome é Jacque, de Angela Zoé, que enfoca a diversidade sexual a partir da experiência da transexual Jacqueline Rocha Cortês, eleito o Melhor Longa Nacional pelo júri do Rio Festival de Gênero & Sexualidade no Cinema 2016. 

Em 2021, são mais de 30 filmes em produção, envolvendo mais de 30 produtoras de diferentes regiões do país, ajudando a fomentar o mercado. 

Sobre o coprodutor – Curta!O canal Curta! é um canal brasileiro que aprovou e viabilizou, através do fundo setorial, mais de 120 longas documentais e 800 episódios de 60 séries. 

O Curta! pode ser visto nos canais 56 e 556 da NET e da Claro TV, no canal 75 da Oi TV e no canal 664 da Vivo, oferecido à la carte pela operadora. Grande parte do conteúdo esta disponível também no Curta!ON, no Now e na plataforma Tamanduá.tv.br.  

Alexandre D´Assumpção

Segundo o Guia do Mochileiro das Galáxias, Alexandre D’assumpção, ou The Sumpa, é praticamente inofensivo. Apesar de todas as lendas a seu respeito, ele é apenas um professor Nerd, redator, roteirista de quadrinhos e audiovisual que nos anos 80 pediu carona para uma cabine azul e desde então, tem vivido suas aventuras através do espaço/tempo. Para facilitar a viagem, tornou-se mestre Zen na arte de ter um rosto tão comum que todos sempre o cumprimentam imaginando se tratar de outra pessoa; normalmente ele mesmo. Dono de uma péssima memória, ele nunca se lembra de detalhes importantes como rostos, grupos que passou nem dos inimigos que ameaçam sua vida, o que é péssimo quando ele os encontra em becos escuros. Sua toalha é customizada e ostenta a máscara da Iniciativa Gambate, empresa criada por ele para levar a cultura Pop a todos aqueles que dela precisarem, estejam onde estiverem. De tempos em tempos ele reverte a polaridade de sua chave de fenda sônica e leva algum compannion para passeios transmídia, seja em eventos, festivais ou programas de TV. No caso de um avistamento, principalmente se The Sumpa for a personalidade dominante, espere o inesperado e corra para sobreviver.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo