Não Assistimos

Não assistimos: As Aventuras do Doutor Dolittle

Ao longo dos anos, conhecemos vários atores especializados em interpretar o mesmo tipo de personagem.

Robert Downey Jr. parece ter se especializado em interpretar personagens completamente excêntricos, mas “do bem”. Seu John Dolittle é um esquisitão que após a morte da esposa Lilly, decidiu se isolar e lidar apenas com animais quando é retirado da concha por um garoto que quase matou um esquilo e por uma menina que veio a mando da Rainha, que sofria de uma doença misteriosa.

Ele é convencido pelos animais a ajudar a doente real e manter a casa onde todos moram. Se a rainha bater as botas, a nova realeza pode tomar a casa que a defunta doou para o médico.

Chegando lá, ele encontra um velho conhecido, o Doutor Mudfly (Michael Sheen), envolvido numa conspiração para matar a Rainha Victoria (Jessie Buckley). Quando o cachorro Jip (Tom Holland) sente o cheiro de um veneno especial, o Doutor e seus animais seguem numa viagem em busca da única fruta capaz de curá-la.

Caso você não saiba, o personagem é inspirado numa série de livros criada por Hugh Lofting sobre um médico inglês, da era Vitoriana, capaz de falar com os animais. O primeiro livro de Dolittle foi publicado em 1920. Sua primeira aparição nos cinemas foi em 1940, então, a versão com o Edie Murphy é só uma das muitas releituras e modernizações do personagem. Downey Jr. interpreta a versão dos livros.

Levar a história para a Era Vitoriana foi uma ideia de gênio. A fotografia teve a chance de criar belos cenários, o CGI aproveita o mundo de então para colocar quantos animais conseguir e sabemos que no mundo moderno, o roteiro do filme não teria saído da primeira linha. Bastava um telefonema e tudo seria resolvido.

Um dos pontos fracos do filme é o encontro de John com Rassouli, o pai de Lilly. Antônio Banderas não entregou seu melhor e o roteiro de Stephen Gaghan não ajuda muito ao gastar o tempo que poderia ter desenvolvido o relacionamento dois dois personagens estendendo as lamúrias da libélula James (Jason Mantzoukas).

Na verdade, o personagem mais parece um coadjuvante de luxo dos animais que falam o tempo todo. Vários atores famosos foram contratados para dublar os tais animais. Como temos muitos animais e eles tagarelam o tempo todo, as vezes, temos informação demais na tela. Algumas vezes, até incomoda, mas dificilmente será a pior coisa que você já viu na vida e sem dúvida, você se pegará rindo em muitos momentos.

Algumas piadas são danadas de boas, o filme é interessante, mas não espere uma continuação.

O Dr. Dolittle vive com uma variedade de animais exóticos e conversa com eles diariamente. Quando a jovem rainha Victoria fica doente, o excêntrico médico e seus amigos peludos embarcam em uma aventura épica em uma ilha mítica para encontrar a cura.

Data de lançamento: 20 de fevereiro de 2020 (Brasil)

Direção: Stephen Gaghan

Orçamento: 175 milhões USD

Música composta por: Danny Elfman

Produtoras: Team Downey, Perfect World Pictures

Elenco: Robert Downey Jr., Antonio Banderas, Michael Sheen

Nacionalidade Americana

Alexandre D´Assumpção

Segundo o Guia do Mochileiro das Galáxias, Alexandre D’assumpção, ou The Sumpa, é praticamente inofensivo. Apesar de todas as lendas a seu respeito, ele é apenas um professor Nerd, redator, roteirista de quadrinhos e audiovisual que nos anos 80 pediu carona para uma cabine azul e desde então, tem vivido suas aventuras através do espaço/tempo. Para facilitar a viagem, tornou-se mestre Zen na arte de ter um rosto tão comum que todos sempre o cumprimentam imaginando se tratar de outra pessoa; normalmente ele mesmo. Dono de uma péssima memória, ele nunca se lembra de detalhes importantes como rostos, grupos que passou nem dos inimigos que ameaçam sua vida, o que é péssimo quando ele os encontra em becos escuros. Sua toalha é customizada e ostenta a máscara da Iniciativa Gambate, empresa criada por ele para levar a cultura Pop a todos aqueles que dela precisarem, estejam onde estiverem. De tempos em tempos ele reverte a polaridade de sua chave de fenda sônica e leva algum compannion para passeios transmídia, seja em eventos, festivais ou programas de TV. No caso de um avistamento, principalmente se The Sumpa for a personalidade dominante, espere o inesperado e corra para sobreviver.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo