Quinta série

Loki 01X01 – Glorioso Propósito (2021)

Loki finalmente deu as caras.

O que vemos no primeiro episódio é que muitas vezes, nossos propósitos gloriosos são completamente idiotas, escondem algo ou nem são tão gloriosos assim.

Loki, esta é a sua vida! E a verdade é que você é um grande nada.

Em Glorioso Propósito, vemos o Loki (Tom Hiddleston) de 2012 sendo capturado pela agência de variação temporal pelo simples crime de existir. Ele é uma probabilidade, fruto de uma escolha que afeta a linha temporal sagrada que a AVT tanto se esforça para proteger. A partir desse momento, vemos o embate de opiniões entre  a Caçadora B-15 (Wunmi Mosaku) que só quer apagar a variante, a Juíza Ravonna Lexus Renslaye (Gugu Mbatha-Raw) que acha a ideia péssima e o Agente Mobius (Owen Wilson) que quer usar a expertise desse Loki num caso importante.

Os diálogos dizem muito sobre os personagens, principalmente quando Mobius comenta que gosta de ver Ravonna acima dele, algo que sempre lhe pareceu certo. Quando vemos as informações da personagem, vemos que ela era uma caçadora que teve um bom plano de carreira. Ou seja, começou de baixo. Já Mobius, sempre foi o que é e além de se achar um pouquinho superior, está acostumado a fazer o que acha que deve, sem pensar muito nas consequências, contrastando com a Ravonna que está tentando evoluir, mas vive entre os dois mundos e da Caçadora, que bem… tem a visão de um soldado raso ou no máximo de um sargentão bitolado que está feliz na posição que se encontra.

É interessante ver o quanto cada série do universo Marvel tem sua própria identidade. Como a AVT é um grande escritório, a série vai buscando elementos como a burocracia (principalmente a Inglesa, que além de lenta, consegue ter regras para suas regras) e a arte característica dos comerciais institucionais dos anos 50 e 60.

O primeiro episódio é tão cruel quanto galhofa. Cruel porque diferente das outras séries, eles seguem o pior dos elementos da jornada do herói. Aqui, o personagem literalmente para onde voltar, uma vez que retornar significaria encarar não só as consequências de seus piores erros como a morte inevitável nas mãos do Titã Louco.

É curioso ver que a série mascara sua crueldade com piadas pontuais, entre elas, a de que Loki seria D.B. Cooper, um dos maiores mistérios da aviação, que até o momento não foi resolvido e muitos ainda alegam ser o famoso personagem. Em menor escala, a piada com peixes também é necessária, uma vez que nos lembra de algo importante: A AVT foi criada para seguir um único propósito, como todos os funcionários da agência foram criados com ela, alguns deles nunca saíram de seus cubículos ou mesas e não sabem nada do mundo lá fora.

Todos ali são tão prisioneiros quanto Loki, só que alguns deles vivem em regime semiaberto.

E esse é o grande mérito dos roteiristas Elissa Karasik, Eric Martin e Bisha K. Ali, que conseguem não só trabalhar com a parte perceptível como com a imperceptível do roteiro. Muitas vezes, um diálogo que parece não dizer nada nos conta mais sobre os personagens e a série do que mil cenas de ação, por mais que as referências visuais também sejam bem fofoqueirinhas.

Quer um exemplo? A cena em que a menina aponta pro vitral na igreja já nos entrega quem é o vilão da série, algo que só é dito lá pelo final do episódio, mas fica subentendido nos dez primeiros minutos.

Alias, dois palpites sobre o vilão da série: No final do episódio, vimos uma silhueta feminina, o que nos diz muito sobre variantes. A outra é que Richard E. Grant lembra demais forma como Jack Kirby costumava desenhar o Loki. Será? Bem, ele ainda não apareceu e teremos que esperar até a próxima quarta-feira para que algumas respostas comecem a aparecer. Quartas são as novas sextas, né?

Quer um belo exemplo de como o subtexto pode amarrar um universo? Já sabemos que Kang, o Conquistador será introduzido, provavelmente em Homem-Formiga e que será o vilão do Quarteto Fantástico no MCU, o que condiz com o fato da nova saga ter a ver com o problema do Multiverso e das variações temporais. Uma curiosidade que só os velhos sabem é que Kang sempre esteve envolvido com uma… Ravonna! Não é curioso vermos a personagem que move boa parte do arco do vilão antes dele ser propriamente introduzido no MCU? Alias, a AVT foi criada por Walter Simonson durante sua passagem pelo Quarteto Fantástico no começo dos anos 90.

A série brinca demais com subtexto e com a narrativa visual para deixar isso passar. Alias, é interessante ver o quanto os efeitos especiais estão “naturais”. Como diria um outro personagem: “A série usa só o necessário, e por causa disso ela vive bem”.

Loki é tão imprescindível para os fãs dos Vingadores quanto Falcão e o Soldado Invernal é para os fãs do Capitão América.

Loki (2021)

Desde 2021 / 50min /

 Aventura, Fantasia, Ficção científica

Criado por Michael Waldron, Kate Herron

Elenco: Tom Hiddleston, Owen Wilson, Gugu Mbatha-Raw

Nacionalidade EUA

SINOPSE & INFO

Baseada no famoso vilão do Universo Cinematográfico Marvel, Loki é uma série original do Disney+ que se passa após os eventos narrados em Vingadores: Ultimato. O spin-off segue os passos de Loki (Tom Hiddleston), mais conhecido como Deus da Trapaça, que conseguiu roubar o tesserato dos Vingadores durante a missão de recuperar as Joias do Infinito. Com o poder da gema do espaço, o Asgardiano começa a pular no tempo com a intenção de chegar a Midgard. Ao longo de sua jornada, ele acaba interferindo em momentos importantes da história da humanidade – seja para cumprir seus próprios objetivos, seja para se divertir um pouco. O que ele não sabe é que sua intervenção pode gerar uma catástrofe nas linhas do tempo e, assim, colocar em risco todo o universo

Alexandre D´Assumpção

Segundo o Guia do Mochileiro das Galáxias, Alexandre D’assumpção, ou The Sumpa, é praticamente inofensivo. Apesar de todas as lendas a seu respeito, ele é apenas um professor Nerd, redator, roteirista de quadrinhos e audiovisual que nos anos 80 pediu carona para uma cabine azul e desde então, tem vivido suas aventuras através do espaço/tempo. Para facilitar a viagem, tornou-se mestre Zen na arte de ter um rosto tão comum que todos sempre o cumprimentam imaginando se tratar de outra pessoa; normalmente ele mesmo. Dono de uma péssima memória, ele nunca se lembra de detalhes importantes como rostos, grupos que passou nem dos inimigos que ameaçam sua vida, o que é péssimo quando ele os encontra em becos escuros. Sua toalha é customizada e ostenta a máscara da Iniciativa Gambate, empresa criada por ele para levar a cultura Pop a todos aqueles que dela precisarem, estejam onde estiverem. De tempos em tempos ele reverte a polaridade de sua chave de fenda sônica e leva algum compannion para passeios transmídia, seja em eventos, festivais ou programas de TV. No caso de um avistamento, principalmente se The Sumpa for a personalidade dominante, espere o inesperado e corra para sobreviver.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo