Simplesmente HQsSuplemento de domingo

HQs ao redor do mundo

 

Os diferentes nomes dos quadrinhos ao redor do mundo.

Os quadrinhos se desenvolveram ao redor do mundo, com estilos e características próprias e nome específico. Sabe como são conhecidos alguns quadrinhos pelo mundo?  

Mangá (Japão): um estilo muito conhecido no Brasil, também por conta dos animes (desenhos animados), eram publicados em edições com vários autores em mais de 500 páginas. Títulos de maior sucesso são reunidos em edições menores (cerca de 200 páginas), conhecidas como tankobon ou tankohon. Normalmente em preto e branco, há mangás para diversas faixas etárias e gêneros. Ao contrário daqui, é um meio de comunicação muito respeitado no Japão. 

Hokuto-No-Ken: Mangá dos anos 80 que foi lançado recentemente pela JBC.

Comics (EUA e Canadá): mais conhecidos por serem onde se publicam super-heróis, há também outros segmentos, como histórias infantis ou para adolescentes. Normalmente são coloridos (The Walking Dead por exemplo era em preto e branco), são mensais  e tem cerca de 23 páginas. Uma variação são as tiras de jornal, conhecidas como ‘comic strips’ e alguns de seus personagens mais famosos são Fantasma, Garfield, Tarzan, Peanuts (Snoopy). 

Bande Dessinée (França, Bélgica): normalmente comparados a álbuns de luxo, possuem um formato maior e são coloridos. São dos representantes europeus mais conhecidos, ao lado dos fumetti (a seguir). Os mais conhecidos são TinTim, Smurfs e Asterix. 

Asterix: BD Franco Belga que fez sucesso ao redor do mundo.

Fumetti (Itália): publicados em formato menor que o americano e maior que o formatinho, sempre em preto e branco. O nome vem dos balões de fala e pensamento que lembram “fumaça”. Tex e Zagor da Bonelli são os mais famosos. 

Manhwa (Coreia): são muito semelhantes aos mangás (até o nome lembra). Estão começando a ficar mais conhecidos. Ragnarok é o mais famoso fora da Coreia. 

Manhua (China): também muito semelhantes aos mangás, são mais próximos dos manhwas. Ainda não são tão conhecidos fora da China.  

Historietas (Argentina): tem um estilo semelhante ao brasileiro, atingindo vários segmentos da sociedade. Mafalda é a historieta mais conhecida. Atenção ao autor Salvador Sanz. 

Júlia Kendall: Fumetti lançado pela editora Mythos.

Gibi, HQ, Revistinha em quadrinhos (Brasil): são os termos usados no Brasil. Gibi vem de uma revistada publicada nos anos 1940 pelo Roberto Marinho (aquele). Revistinha é o nome dado graças ao formato adotado nos primórdios da editora Abril (também chamado de formatinho). HQs é um termo mais atual sendo mais usado a partir dos anos 1990. Praticamente todo quadrinho publicado aqui segue uma dessas denominações (não apenas as produzidas no Brasil).  

Tebeos (Espanha): seguem o padrão europeu de arte, com diferentes formatos de publicação e estilos de histórias, tendo Mortadelo e Salaminho como a publicação mais conhecida. 

Mortadelo e Salaminho.

Outros: 

Muñequitos (Cuba) 

Histórias aos quadradinhos (Angola) 

Banda Desenhada ou BD (Portugal) 

Não importa de onde venham, há revistas de boa e de má qualidade em qualquer local. Não há um estilo melhor que o outro, pode haver um estilo que te agrade mais, mas isso não diminui os outros estilos. E nada te impede de gostar de mais de um estilo. Eu mesmo adoro os comics, curto mangás, fumetti e bande dessinée e amo a Mafalda (historieta). Ainda não li outros estilos (estou começando me aventurar em quadrinhos da Nigéria), nem por isso desrespeito quem curte outros estilos, o.k.? Quadrinhos são o meio mais democrático de se expressar e havendo respeito, há lugar para todos!! 

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo