Não Assistimos

Espiral – O Legado de Jogos Mortais (2021)

Quando se imaginava que Jogos Mortais já tinha dado tudo o que tinha pra dar, vem Espiral – O Legado de Jogos Mortais e dá uma requentada na história.

A história do filme é simples e certamente vai agradar os fãs da franquia deste “brinquedo assassino”. Dessa vez, Jigsaw não saiu pra brincar, mas seu coleguinha “Espiral” ocupa bem o posto.

Diferente do vilão anterior, Espiral é um assassino de policiais que cometeram algum tipo de erro durante suas carreiras, o que fica bem claro pela simbologia do porco, usada pelos americanos para desmerecer policiais.

Paralelo a isso, vemos a história de Ezekiel “Zeke” Banks (Chris Rock) e seu parceiro novato (Max Minghella) que se tornam os responsáveis pela investigação desse misterioso assassinato de policiais. Zeke vive a sombra de seu pai Marcus (Samuel L. Jackson), um respeitado oficial de polícia cuja história, vamos entendendo melhor ao longo do filme.

Apesar de o roteiro ser meio óbvio, ele certamente agradará aos fãs da franquia e certamente atrairá novos fãs para a franquia. As cenas de tortura e as armadilhas estão cada vez mais elaboradas e o gore é garantido.

Todo mundo odeia o Chris? No filme, sim. Chris Rock convence como o policial angustiado que acabou entregando um membro da corporação e se tornou o alvo do ódio de todos. Na verdade, seu maior aliado é o novo parceiro que é empurrado garganta abaixo pela chefe Angie (Marisol Nichols).

Se por um lado é interessante ver Rock num filme mais sério, mostrando um pouco mais do que estrionismo e piadas sobre racismo, Samuel L. Jackson interpreta o mesmo personagem que vem interpretando desde Pulp Fiction. É ruim? Muito pelo contrário, principalmente porque ele é usado em momentos pontuais do filme, o que acaba não cansando.

É um filme o.k. Não se propõe ser o melhor nem o pior que você já viu, mas ocupa o tempo e diverte.

Não espere mais que isso e você não vai se decepcionar.

ESPIRAL – O LEGADO DE JOGOS MORTAIS

17 de junho de 2021 / 1h 33min / Terror, Suspense

Direção: Darren Lynn Bousman

Roteiro Pete Goldfinger, Josh Stolberg

Elenco: Chris Rock, Max Minghella, Marisol Nichols

Título original Spiral: From The Book Of Saw

SINOPSE

Em Espiral – O Legado de Jogos Mortais, o detetive Ezekiel “Zeke” Banks (Chris Rock) se une ao seu parceiro novato Willem (Max Minghella) para desvendar uma série de assassinatos terríveis que estão acontecendo na cidade. Durante as investigações, Zeke acaba se envolvendo no mórbido jogo do assassino.

Confira a classificação indicativa no Portal Online da Cultura Digital.

Alexandre D´Assumpção

Segundo o Guia do Mochileiro das Galáxias, Alexandre D’assumpção, ou The Sumpa, é praticamente inofensivo. Apesar de todas as lendas a seu respeito, ele é apenas um professor Nerd, redator, roteirista de quadrinhos e audiovisual que nos anos 80 pediu carona para uma cabine azul e desde então, tem vivido suas aventuras através do espaço/tempo. Para facilitar a viagem, tornou-se mestre Zen na arte de ter um rosto tão comum que todos sempre o cumprimentam imaginando se tratar de outra pessoa; normalmente ele mesmo. Dono de uma péssima memória, ele nunca se lembra de detalhes importantes como rostos, grupos que passou nem dos inimigos que ameaçam sua vida, o que é péssimo quando ele os encontra em becos escuros. Sua toalha é customizada e ostenta a máscara da Iniciativa Gambate, empresa criada por ele para levar a cultura Pop a todos aqueles que dela precisarem, estejam onde estiverem. De tempos em tempos ele reverte a polaridade de sua chave de fenda sônica e leva algum compannion para passeios transmídia, seja em eventos, festivais ou programas de TV. No caso de um avistamento, principalmente se The Sumpa for a personalidade dominante, espere o inesperado e corra para sobreviver.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo