Coluna do Professor

Cultura Pop, um refúgio de esperança em tempos de pandemia

Sejam bem-vindos, ilustres fãs de quadrinhos.

Você já percebeu o quanto estamos de pernas pro ar?

Ainda estamos nos acostumando a conviver com um vírus que, até o final do ano passado, ninguém conhecia. E ele veio com tudo!

Por causa do covid-19, fomos forçados a parar de fazer coisas que estávamos acostumados. Bares, cinemas, teatros, todos os locais que reuniam bastante gente foram fechados.

Creio que, assim como eu, você deve conhecer muitas pessoas que perderam o emprego. As mais afortunadas puderam voltar pra casa dos seus pais. Quanto às outras, infelizmente devem ter aumentado bastante o número de pessoas que vivem na rua.

Em momentos difíceis como esse, o que nos mantém respirando é a esperança de que as coisas melhorarão. Mas onde encontrar esse sentimento?

Eu costumo buscar abrigo na cultura pop. Dessa vez não foi diferente. Estou revendo filmes que foram marcantes na minha vida e voltei a ler HQs de heróis com mais afinco.

Eu sou professor e, como as aulas estão suspensas, dedico meu tempo a ler revistas em quadrinhos, ver filmes e séries para poder escrever artigos como esse.

Caso você não dê crédito para o que estou dizendo, saiba que em momentos conturbados as pessoas costumam recorrer a fantasia.

Como prova disso, posso citar o sucesso que foi a revista Action Comics 1, que trouxe a estreia do Superman.

Ela foi publicada nos Estados Unidos em 1936. O país ainda se recuperava da Queda da Bolsa de Valores de Nova Iorque ocorrida em 1929. Além disso, havia a expectativa de que uma grande guerra fosse acontecer.

A Segunda Guerra Mundial foi de 1939 até 1945.

Inspirados no Superman, muitos heróis surgiram naquela época. Batman, Flash I (Joel Ciclone no Brasil), Capitão Marvel (atual Shazam), Mulher-Maravilha, Capitão América…

Esse foi o período em que mais se vendeu gibis de heróis. Muitos deles seguiram o exemplo dos soldados norte-americanos e foram para a Guerra. Os leitores iam a loucura.

Gostaria de deixar claro que não estou pedindo para ninguém fechar os olhos para o que está acontecendo. É provável que uma vacina efetiva só comece a ser aplicada em meados do ano que vem. Além disso, vivemos a ameaça de um novo lockdown.

O que estou pedindo é para que você não passe todo o seu tempo lendo notícias sobre o coronavírus. Leia sobre coisas que você gosta.

Procure sites que continuem falando a sua língua.

Até breve!

André Costa

André Costa, 44 anos. Professor de Inglês em escola regular, escritor, tradutor. Apreciador da Cultura Nerd em geral, principalmente de quadrinhos de Super-Heróis. Autor do livro Cavaleiro das Trevas: Uma Leitura Sócio-Cultural e Ideológica do Batman. Tá sabendo da novidade? Somos parceiros da Amazon. Vai comprar na Amazon? Utilize o código: canalmetali06-20! e dê uma força para o canal.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo