Coluna do Professor

Anos 80, a época que os Heróis Fizeram a Diferença

Bem-vindos, ilustres fãs de quadrinhos. Hoje vou falar de duas HQs que fizeram a diferença na vida de muitas pessoas e lhes proporcionou um sopro de esperança.

Nos anos 80, o mundo ficou chocado com as imagens de miséria e fome que vinham da África, principalmente da Etiópia. Seres humanos reduzidos a pele e ossos sem possibilidade de ter uma melhora em suas vidas. As mães subnutridas tentando proteger seus filhos nas mesmas condições.

A fim de combater essa realidade, algumas estrelas da música se reuniram em eventos cuja a renda foi destinada a melhoria da vida desses povos. Dentre eles, podem ser destacados o USA for Africa, com o sucesso We Are The World e o festival de Rock Live Aid.

Você pode não acreditar, ilustre fã, mas a Marvel e a DC também participaram dessa iniciativa. Cada uma delas desenvolveu uma HQ e o dinheiro arrecadado em suas vendas foi usado para amenizar a situação de fome e miséria na África.

Heróis Pela Esperança

Em dezembro de 1985, a Marvel publicou a revista Heroes for Hope (Heróis pela Esperança), estrelada pelos X-Men.

Essa HQ foi idealizada pelo desenhista Berni Wrightson. Em uma conversa com o argumentista Jim Starlin, ele disse que seria legal se os roteiristas e desenhistas se unissem para desenvolver uma HQ cuja renda fosse destinada a amenizar a situação de fome e miséria na África.

O editor da Marvel na época, Jim Shooter, aprovou a ideia e logo os artistas foram reunidos.

Essa história se passa no período em que Magneto tinha abandonado sua vida de vilão e ocupava o papel de mentor dos X-Men.

Nessa história, os X-Men enfrentam uma entidade que, usando poderes psíquicos, se alimenta do desespero que causa em suas vítimas, fazendo com que seus maiores temores se tornem realidade.

Os X-Men seguem o rastro da criatura e vão parar na África, onde ficam chocados com as imagens de fome e miséria.

Após derrotar a criatura, a equipe passa a ajudar as instituições de caridade na distribuição de suprimentos.

Heróis Contra a Fome

Jim Starlin e Berni Wrightson sugeriram que a DC seguisse o exemplo da Marvel e fizesse uma HQ com a participação de vários roteiristas e desenhistas e que seu lucro fosse destinado a combater a fome e a miséria na África.

A DC Comics aprovou o projeto e, em 1986, foi publicada a HQ Heroes Against Hunger (Heróis Contra a Fome), estrelada pelo Superman e pelo Batman.

Nessa história, nossos heróis enfrentam o Mestre (Master no original), um alienígena que se alimenta do sofrimento causado pela fome e miséria da população da Etiópia.

A situação é tão dramática que até o grande vilão Lex Luthor se alia a nossos heróis ao testemunhar o sofrimento da população.

Essa estranha aliança acaba causando a derrota do Mestre.

Em um esforço para acabar de vez com a fome daquela região. Lex Luthor aplica no solo uma fórmula que desenvolveu para facilitar a agricultura. Entretanto, seu esforço é infrutífero.

Lee Ann Layton, membro da instituição de amparo norte-americana Peace Corps, informou que naquela região foi cultivado amendoim voltado para o mercado externo e que essa lavoura provocou a infertilidade do solo.

É triste, caro leitor, mas a fome continua reinando em alguns países da África, apesar dos esforços de diversas instituições.

Dentre as causas para o prolongamento dessa situação podem ser destacadas as guerras civis existentes em alguns desses países e o fato de suas parcas lavouras serem destinadas ao mercado externo.

Será que você, ilustre fã de quadrinhos, vai seguir o exemplo de nossos heróis e fazer a diferença?

Até breve!

André Costa

André Costa, 44 anos. Professor de Inglês em escola regular, escritor, tradutor. Apreciador da Cultura Nerd em geral, principalmente de quadrinhos de Super-Heróis. Autor do livro Cavaleiro das Trevas: Uma Leitura Sócio-Cultural e Ideológica do Batman. Tá sabendo da novidade? Somos parceiros da Amazon. Vai comprar na Amazon? Utilize o código: canalmetali06-20! e dê uma força para o canal.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo